Vender a alma para emagrecer? Eu hein, longe de mim fazer isso, sou como a Marina Lima, apenas uma pessoa comum, filha de Deus, nessa canoa furada, remando, remando… Apesar de nunca passar pela minha cabeça essa ideia horrenda, sei de um punhado de gente que vende a alma, e mesmo você, se fizer um relatório na memória irá descobrir uma amiga, um vizinho, um parente ou contraparente que faz de tudo para emagrecer, inclusive vender a alma ao capeta. Às vezes (frequentemente) é tão difícil emagrecer quanto conseguir um par ideal.

Se há no planeta Terra algo mais onipresente que Deus e o Diabo, são pessoas bonitas com seus corpos magros. Elas nos perseguem via satélite e fibra ótica, pela tevê, nos outdoors, nas revistas, no Instagram, no Facebook, e dependendo de onde você mora, até nas ruas. É sempre bom ter um homem bonito por perto, nem que seja para dar um up grade no ambiente e dar aquele calorzinho. Homens e mulheres são muito diferentes, mas essa reciproca é verdadeira para eles, e é aí que a roda pega. Quando eles dizem que gostam de mulher, se você apertar a tecla SAP, você irá ouvir “gostamos de mulheres bonitas.” E se continuar com a tecla SAP apertada e perguntar, “e as feias? Vocês não gostam?”, eles responderão “Sim, amamos nossas mães”.

E é isso, se você quer amor masculino com garantia eterna, tenha um filho, ele será o único homem que te amará mesmo se você alcançar os três dígitos na balança, fora essa opção, sobram poucas alternativas. Uma delas é vender a alma para emagrecer, e isso quer dizer, se torturar, pensar e comentar que estar gorda dia e noite.  Ser criticada por todos (sem exceção), pois está chata e não quer comer nada em eventos sociais, ter sono muito cedo porque acorda de madrugada para malhar. Ter essa vida bandida é igual ou pior do que vender a alma para emagrecer. Ainda bem que não sou dessas…