Concordo, fazer dieta muitas vezes é chato. Como seria bom sair comendo tudo sem engordar, como as pessoas que nasceram com a “genética magra.” Mas e estar acima do peso, não se sentir bem com o corpo ou não ter coragem de sequer se olhar no espelho, não é muito mais chato? Já parou para pensar nisso? Como é mais difícil de caminhar, não poder escolher a roupa que queremos, mas sim a que nos cabe, e o pior: vermos nossos sonhos frustrados.

Recebo muitos pacientes cansados de repetir um mesmo discurso de que já tentaram de tudo, cansados de ouvir falar em dieta e o pior, totalmente desesperançosos com a vida e descrentes de si. Estes sentimentos não são muito mais pesados do que viver a restrição da dieta? O que é mais caro para você: seu sonho ou o choppinho do fim de semana? O que realmente importa? O que realmente vai fazer diferença na sua vida?

Nos acostumamos com um padrão de vida, muitas vezes, sofrido, porque simplesmente naturalizamos viver mal. Achamos que é normal viver desta forma: pesado em todos os sentidos. Inventamos um milhão de desculpas porque acreditamos que mudar vai dar muito trabalho. Mas e viver assim? Não dá trabalho? Temos medo da mudança. Temos medo do desconhecido e, o pior, às vezes, temos medo de dar certo! Já reparou que quando estamos muito perto de alcançar uma meta, nos boicotamos e botamos tudo a perder? Esta semana ouvi de uma paciente: “Não gosto quando emagreço, porque todo mundo fica me olhando, reparando em mim…não gosto de chamar a atenção.” Realmente dá trabalho se expor, bancar suas conquistas. Mas e ficar atrás das cortinas, sempre nos bastidores é bom? A dor faz parte da vida. Ela é um ingrediente fundamental para maturidade e sabedoria. Basta escolher qual dor você quer! Boa sorte!