Ficar mais leve não significa apenas perder alguns quilos, mas também dar, desapegar. Desapegar de um passado que nos vitimiza. Desapegar de hábitos que acreditamos ser nossa essência. Desapegar de amores antigos e amizades que não nutrem mais. Desapegar de pessoas pesadas, sangue-sugas. Desapegar de muita informação, de plantas ou objetos que não cabem mais em casa. Desapegar de alimentos que imaginávamos não viver sem. É organizar o armário, o quarto e a casa. Desapegar significa soltar o conhecido e ter coragem de enfrentar o vazio que precede a chegada do novo. No circo quando o trapezista está dando suas piruetas nas argolas, ele solta as duas mãos da argola velha, fica um instante no nada – correndo o risco de cair – para ter as duas mãos livres para segurar a próxima argola. Antes do novo, o trapezista enfrenta o NADA, o VAZIO. O mesmo acontece na vida: antes da nova fase vem o vazio que desafia a esperança, mas também um vazio criativo, cheio de possibilidades. Quando temos a coragem de enfrentar e permanecer no nada conhecemos a verdadeira prosperidade. Nada mais nos abala!

Emagrecer é encarar o nada. É abdicar de hábitos calóricos e ficar um período errando e acertando até consolidar os novos. É aprender a se reorganizar. É abrir mão de velhas prioridades em prol de novas que ainda não sabemos exatamente quais. É ter uma nova rotina que ainda não está muito clara e, na maior parte das vezes, construir uma nova identidade. E até que esta última esteja consolidada, muitas vezes, sambamos no NADA. Oscilamos. Estranhamos nossas reações. Adquirimos novos pensamentos, novos pontos de vista. Mudamos o corte de cabelo. Reciclamos ou não os amigos. Sentimos culpa. Depois certeza. E depois dúvida. E no final é um vai e vem danado. E quando finalmente o novo chega traz resposta para algumas questões, mas para outras não, afinal ele não é estático. E recomeça tudo outra vez.