Sempre fico preocupada em engordar nas férias. É difícil administrar a liberdade. Quando permaneço religiosa na dieta, fico de “saco cheio”. Se ignoro a dieta por completo, sinto-me culpada e tenho muito medo de voltar a engordar.

Este ano fui para Tailândia, a terra do arroz! Fiquei desesperada em comer porções sempre ricas por carboidratos. A única coisa que me acalmava era saber que eu andava muito e, muitas vezes, precisava carregar um maldito mochilão pesado nas costas que até pé-de-pato tinha dentro! Naquela viagem, bem como em outras, tento ter bom senso e busco um meio termo. Se deixar de comer alguma comida típica não me perdoo, mas se como de tudo o tempo todo, a parte que mais engorda é minha consciência: morro de medo de voltar a ter meu corpo antigo. Como consigo, então, ter um saldo positivo e não engordar ou não engordar taaaanntooo?

  • Meu raciocínio em viagens ou férias é minimizar os estragos. Sendo assim, me permito apenas uma extravagância por refeição: ou tomo bebida alcoólica, ou como sobremesa ou como carboidrato na refeição. Nunca associo duas ou três extravagâncias em uma mesma refeição. Aliás, tento não fazer mais de uma por dia;
  • Quando não consigo me manter firme na lógica acima, faço algum exercício físico ou como menos no dia seguinte;
  • Eventualmente combino duas refeições: junto café-da-manhã e almoço ou faço um “almojanta”. Assim como mais em uma refeição só;
  • Tiro ao máximo o foco da comida e aproveito as outras coisas. Faço da alimentação uma coadjuvante da viagem e não a protagonista;
  • Levar comida com você também é uma saída. Para mim não funciona, porque não tenho essa disciplina e paciência, mas se você for mais organizado, talvez esta seja uma boa estratégia! Pode ter frutas, barra de proteínas ou nuts na mochila!

Caso ganhe alguns quilinhos extras durante esse período, relaxe. Também faz parte! Ao voltar para rotina e para sua disciplina, o corpo naturalmente emagrece. Difícil será se readaptar à rotina, principalmente se tiver feito uma viagem internacional. O corpo volta, mas a mente continua perdida no espaço sideral romantizando os bons momentos. Com certeza é mais difícil voltar para uma alimentação restrita depois de momentos como estes, porque o corpo sentirá vontade de comer algumas “besteiras”, já que as concessões estavam mais frequentes. Retomar a frequência de exercícios e seu condicionamento anterior também exigirá paciência e persistência.  Não pare muito para pensar e para problematizar essas dificuldades, apenas faça! A ação também ajuda a organizar o pensamento e relembra os padrões antigos de comportamento em que você estava mais disciplinado.

Apesar de ser psicóloga e saber que cada um tem um jeito e uma forma de fazer as coisas, em alguns momentos sou a favor do movimento, sem muitas considerações ou abstrações. Movimento gera movimento e só uma pitada de endorfina, às vezes, relembra seu corpo e sua mente sobre os benefícios de seguir no caminho de emagrecimento que você escolheu.