Nossa rotina é composta por um conjunto de hábitos: nossas refeições, se economizamos ou gastamos dinheiro, se corremos ou vemos TV. A maior parte das nossas escolhas pode parecer fruto de decisões tomadas com bastante consideração, mas não é. E, ao longo do tempo, estes hábitos acabam tendo um impacto enorme na nossa saúde, produtividade, segurança financeira.

Quando precisamos fazer escolhas pela primeira vez decidimos com consciência. Depois de um tempo repetindo as mesmas escolhas, elas viram comportamentos automáticos.  Isto acontece porque o cérebro precisa poupar esforço e, para tal, existe um sistema inteligente que ativa um hábito sempre que um bloco de comportamentos se repete. Este processo acontece em três estágios:

estimulo-rotina-recompensa

O cérebro reconhece um estímulo que está se repetindo e ativa uma determinada rotina que é recompensada ou não. Ele só memoriza esta rotina para o futuro se a recompensa valer a pena. Com o tempo este esquema “Estímulo – Rotina – Recompensa” se torna cada vez mais automático e, quando o cérebro começar a desejar a recompensa só de ver o estímulo, o hábito surge. É fundamental que haja a antecipação do desejo para sacramentar o nascimento de um hábito. Por exemplo uma paciente tem o hábito de comer um docinho sempre que se sente nervosa no trabalho. Neste caso o estímulo é um sentimento, o de nervosismo, a rotina é comer um doce e a recompensa é ela se acalmar e melhorar seu humor a partir da ingestão do doce. Atualmente quando ela fica nervosa automaticamente imagina um docinho. O desejo já se instalou!

A boa notícia é que podemos mudar os hábitos e não somos reféns deles! Não existe uma única fórmula para mudarmos, visto que somos todos diferentes. Alguns são mais fáceis, outros mais difíceis e existe um passo-a-passo para essa mudança:

  • IDENTIFIQUE A ROTINA QUE QUER MUDAR – Identifique cada um dos componentes do esquema comportamental: o que estimula seu comportamento, qual comportamento indesejado e qual é sua recompensa. Na maior parte das vezes você faz tudo no automático e não percebe cada um dos itens da cadeia.
  • ELABORE UM PLANO DE AÇÃO – Uma vez que identificou qual é o esquema do seu hábito, você precisa de um plano para mudar seu comportamento. Apenas lembrando que um hábito é uma fórmula que nosso cérebro segue automaticamente: quando eu vejo a DEIXA, faço a ROTINA para obter RECOMPENSA. Para reprogramar esta fórmula precisamos começar a escolher outra vez. Exemplo: já que eu sei que minha vontade de comer doce surge sempre quando fico nervosa no trabalho, eu deixo uma quantidade certa de chocolate 85% cacau para comer nestas ocasiões (este chocolate pode na minha dieta). O plano não funcionou imediatamente, no início foi difícil, mas aos poucos tornou-se automático.

Estudos sobre pessoas que conseguiram instaurar novas rotinas de exercícios mostram que é mais provável elas se manterem fiéis a um plano de exercícios se escolherem um ESTÍMULO ESPECÍFICO para começarem a atividade, bem como uma RECOMPENSA CLARA. Além disso, pesquisas sobre dietas dizem que criar novos hábitos alimentares exige uma deixa pré-definida, como planejar o cardápio com antecedência. Com o tempo o organismo passa a desejar aquela recompensa e o comportamento vira um hábito.

Todo hábito, por mais complexo que seja, é maleável. Somos totalmente responsáveis por eles e, uma vez que entendemos como funcionam, temos a responsabilidade e liberdade de mudá-los! Mãos à obra!