Carol acorda às 9h, vai ao banheiro e volta pra cama. Volta a acordar às 11h, pois hoje é domingo. Eduardo acordou às 6h, porque domingo é o dia internacional das famílias e ele sabe que tudo vai lotar: Lagoa, Aterro, ciclovia etc, então tem que acordar cedo, porque se deixar pra depois, o calor e principalmente o tumulto serão empecilhos intransponíveis.

Carol tem 28 anos, aos 22 foi morar com Eduardo. Logo de cara, decidiu ter seu primeiro filho, Thor, um simpático York Shire. Quatro anos depois, o clima entre o casal já não era bom e ela quis ter outro cachorro, dessa vez veio a fofa Kiara, uma Shih Tzu, e um mês depois veio também o divórcio. E Carol foi obrigada a voltar para a casa da mãe.

Passaram-se quase dois anos da separação e Carol está desempregada. Frequenta um cursinho e a noite vai para academia. Como os cachorrinhos precisam sair, então na prática a rotina dela é passear com os cachorros bem cedo, depois ir para o cursinho, voltar para casa, novamente sai com o Thor e a Kiara, dar um pulo na academia, depois voltar para casa e passear uma última vez com eles antes de dormir.

Tudo normal, certo? Errado. Na prática tudo errado. Os concursos públicos estão cada vez mais disputados. As pessoas que realmente passam, são aquelas completamente bitoladas, que estudam dia e noite e ficam em cima dos livros como tarados. Em relação à academia, Carol vai cada vez menos, pois sempre está cansada por causa dos cachorros, por causa do trânsito, por causa os estudos etc. O resultado é que ela está mais flácida, com mais celulite e acha (porque tem medo de se pesar) que engordou uns 8 quilos desde que voltou para casa da mãe. Ela vara os fins de semana vendo Netflix e dorme com a Kiara até as 11 da manhã.

Dois anos antes a balança disse a Eduardo que ele pesava 108 quilos, depois de uma pizza e um pote de Haagen Dazs, decidiu que aquilo não poderia continuar e começou a correr diariamente. Quase dois anos depois e 29 Kg a menos, Eduardo está radiante, pois conseguiu dar a volta na Lagoa em 35 minutos. Quase chorou ao ver seu tempo, na verdade foram 2 anos de trabalho duro por aqueles 35 minutos. Enquanto isso, perto dali, Carol dormia pesado com seus cachorrinhos. Afinal era 8 horas de domingo.

Eles ainda não sabem, mas em poucos meses irão se reencontrar num aniversário de uma amiga em comum. Vão trocar telefone novamente e em duas semanas vão começar a ficar. Carol vai se entusiasmar e a princípio ele também, mas em pouco tempo perderá o interesse nela,vai demorar a responder suas mensagens no WhatsApp e dentro de algumas semanas, desaparecerá. Carol ficará triste, a nova versão do ex a deixou doida para voltar. O que passou batido pela Carol é que Eduardo não dispensou ela, na verdade ele dispensou a sua energia. As pessoas que querem as melhores versões dos outros, também tem que dar as suas melhores versões. É assim que funciona. Ele correu da versão de quem está desempregado e acorda tarde, da versão de quem malha e estuda, mas não se entrega a nada verdadeiramente. Carol não malha como deveria, não estuda como deveria. O que Carol tem que entender é que energia atrai energia. Pessoas focadas se atraem e não costumam ser indulgentes com indisposição alheia. É uma dinâmica impessoal.